Editora do Autor de Best–seller do New York Times e Best–seller Internacionais, L. Ron Hubbard

1.º ACC de Melbourne

 1.º ACC de Melbourne

1.º ACC de Melbourne

Depois de um Congresso massivo no qual deu uma mensagem especial para os Scientologists australianos sobre a sua responsabilidade única por Scientology, L. Ron Hubbard revelou algo ainda mais impactante no 1.º ACC de Melbourne. Tendo traçado várias rotas em direção a Clear, ele voltou a essa meta mais alta de Thetan Operante cujo potencial tinha descrito no Curso do Doutorado de Filadélfia e em Scientology 8-8008. Baseando-se em descobrimentos posteriores, ele não só tinha tornado conhecido o obstáculo primário para alcançar o OT, e para qualquer ganho de caso, mas tinha acabado com essa barreira mediante a tecnologia de Atos Overts e Ocultações, o que tornou possível que qualquer ser alcançasse o componente central no progresso do caso: Responsabilidade. Desde a rota em direção a OT e a forma em que depende da mudança de valências à anatomia e o manejo da individualização, e da relação entre as ocultações e a aparência de uma “ausência de banco” ao universo de um thetan, esta é a tecnologia que abriu as portas para os níveis ascendentes de liberdade espiritual, e finalmente, a OT em si. No que diz respeito ao que estes descobrimentos prenunciavam, o Sr. Hubbard declarou: “Com o 1.º ACC de Melbourne iniciámos uma nova era em Scientology; uma era maior, mais ampla e mais bem-sucedida que tudo o que experimentámos antes.”

Leia Mais
adquira
400€
Envio Gratuito Atualmente elegível para envio gratuito.
Em Stock Envio dentro de 24 horas
Formato: CD
Conferências: 32

Mais sobre 1.º ACC de Melbourne

“Simplesmente sentem-se ali e auditem! Não conseguem ouvir o que é que o PC diz, bom, coloquem o vosso ouvido junto à cara dele! E parece que ele está a tentar abandonar a sessão ou algo semelhante, ou parece estar muito nervoso, bom, colem-no bem à cadeira! E se pensam que ele não está a ouvir-vos muito bem, dêem-lhe uma linha de comunicação sólida com um braço.

Mas vocês são auditores, e como tal não são pessoas não-importantes, e como tal o vosso interesse no caso é essencial. E isso é o que está em primeiro lugar, que é o mais importante, o mais essencial, e dessa maneira vão conseguir mais audição ao auditarem! Percebem?” – L. Ron Hubbard

Em Setembro de 1959, o Primeiro-Ministro Soviético, Nikita Khrushchev, estava nos Estados Unidos. Apesar do aparente abrandamento das tensões entre as duas “superpotências” que levaram a este encontro com o presidente norte-americano Eisenhower, o líder russo espantou os seus anfitriões americanos com um discurso direto e brutal sobre a possibilidade de uma guerra nuclear. E de facto era uma ameaça que continuava muito presente na mente das pessoas e na cultura, dramatizada no filme On the Beach (Na Praia), que visionava um planeta devastado pela Terceira Guerra Mundial.

Contudo, como é mostrado naquele filme, havia uma parte do mundo que, pelo menos temporariamente, sobreviveu ao holocausto – a Austrália. E a Austrália estava muito em foco quando L. Ron Hubbard falou do Hemisfério Sul como a única área que teria hipótese de sobrevivência numa guerra nuclear – sob condição de ser auto-suficiente – porque uma tal guerra era muito provável que ocorresse no Hemisfério Norte. Além disso, a nação era a base de um campo de Scientologists próspero e em rápida expansão, com a HASI Austrália a prever mesmo na sua revista, Comunicação, que “talvez a Austrália produza a primeira cultura totalmente Scientologist”.

Assim no início de Novembro de 1959, o Sr. Hubbard deixou a Inglaterra e, após uma paragem em Calcutá, aterrou em Melbourne a 5 de Novembro para entregar um Congresso dando conhecimento da responsabilidade que os Scientologists australianos devem assumir pelo mundo em geral. E considerando que esse foi o primeiro Congresso alguma vez feito por ele na Austrália, o número de presentes foi, como descreveu uma publicação local, “um Congresso gigante” perante centenas de Scientologists extremamente entusiasmados e seus amigos.

Por outro lado, e embora ele tenha de facto entregue uma mensagem muito especial aos Scientologists australianos sobre a sua importância fulcral para o futuro de todos os seres deste planeta, isso foi apenas o começo do que ele lhes iria expor. Porque, como era tradicional, ele também tinha agendado um ACC. Começou a 9 de Novembro em 157 Spring Street, sede da HASI Austrália, e teve a assistência de um grupo de 40 auditores selecionados da Austrália e da Nova Zelândia. E como esses auditores cedo descobririam, o que este ACC representava era uma direção inteiramente nova:

“O texto fundamental deste curso é Scientology 8-8008. As primeiras palestras que precedem este curso são as Conferências de Filadélfia, Outono, 1952 – 64 horas de palestras. Elas são as palestras que antecedem imediatamente este curso. Por isso, reparem, demos um salto enorme na linha do tempo. Compreendem isso?”

Quanto ao que o Sr. Hubbard comunicou, e exatamente o que significava regressar a 1952 e ao Curso do Doutorado de Filadélfia, isso foi incluído no objetivo de Thetan Operante. Por ter traçado e delineado as potencialidades de um thetan no estado nativo, ele passou os anos subsequentes a ir a um nível abaixo do estado corrente do Homem para desenvolver processos que alcançassem todos os casos e procedimentos que todos os auditores pudessem aplicar. Como resultado, o objetivo prioritário passou a ser a certeza de obtenção de Clear para a vasta maioria que não conseguia atingir este estado imediatamente e para quem, por isso, a reabilitação das capacidades OT estava fora de alcance. Mas agora, com várias rotas pesquisadas e codificadas – e que estavam a produzir Clears de forma rotineira e com certeza – ele pode voltar a esse objetivo mais elevado de Thetan Operante. Realmente, ele tinha descoberto o obstáculo primário que está a obstruir o caminho para OT, ou de facto também a obstruir o caminho para qualquer ganho de caso. Em relação à sua importância:

“Pois, vão auditar relativamente a uma definição e a definição é: ‘causa voluntária e consciente sobre a vida, a matéria, a energia, o espaço e o tempo’, que naturalmente incluiria postulados, considerações e thetans. E esta é a definição de um OT.”

De facto, e como o Sr. Hubbard disse àqueles estudantes, a única rota para OT era através de Responsabilidade. E neste 1.º Curso Clínico Avançado de Melbourne, ele pôs em marcha a tecnologia monumental para atingir esse componente fundamental em todo o progresso de caso – especificamente, a tecnologia de Overts e Ocultações:

  • Mudança de Valência – o modo como o caminho para OT depende de mudança de valências;
  • Regra da Valência Fraca – o que é, porque deve ser manejada e como;
  • Individuação – a sua fonte e o papel da comunicação para a derrubar;
  • Discernimento – a capacidade de avaliar importâncias relativas e o modo como a liberdade depende disso;
  • Capacidade para Fazer Postulados Sem Consequência – a sua relação com a reabilitação de OT;
  • Más Experiências – como elas se apagam com o overt, não com o motivador;
  • Principais Incidentes na Linha do Tempo – os detalhes completos, incluindo como criam ridges e a sua localização e manejo;
  • Braço de Tom – como trazê-lo para baixo e para uma leitura de Clear no E-Metro.

Resumindo tudo isso, o que ele forneceu foi uma tecnologia que não só abrange todos os tipos de audição e está subjacente aos ganhos de caso em todos os níveis, mas que despedaça essas mesmas barreiras que estão no caminho de todos os seres à medida que eles ascendem em direção a níveis cada vez mais altos de liberdade espiritual. Assim, ao postular tudo o que isso queria dizer, L. Ron Hubbard iria daí para a frente falar em termos de uma perspetiva nova em folha, levando a uma Terra nova em folha.

« ACC Lectures